Países africanos impulsionam mercado da notação financeira

LUSA




A agência norte-americana Moody’s indicou hoje que o número de mercados emergentes (EM, na sigla em inglês) com notação financeira soberana, que classifica a dívida de cada Estado, está a crescer desde 2004, com a inclusão dos países africanos.

Desde 2013, cerca de 2,6 biliões de dólares (2,2 biliões de euros) em ‘eurobonds’ – dívida pública emitida junto de investidores internacionais e em moeda diferente da do país emitente – foram emitidos por fundos soberanos, sub-soberanos, corporações, instituições financeiras e entidades de financiamento de projetos e infraestruturas, destacou a agência de notação financeira internacional, na apresentação do relatório ‘Global Emerging Markets Chartbook’, durante um encontro em Joanesburgo, dedicado a investidores na África subsaariana.

Só Angola, com duas emissões, em 2015 e 2018, colocou no mercado internacional 5.000 milhões de dólares (4.300 milhões de euros) em ‘eurobonds’. Em abril, a Moody’s desceu o ‘rating’ soberano de Angola (que avalia a qualidade da dívida emitida pelo Estado), de B2 para B3 (agravando o nível de ‘Não Investimento’ ou ‘Junk’), mas mudando a Perspetiva de Evolução de ‘Negativa’ para ‘Estável’.

O impacto dos desafios económicos da África do Sul no crédito, na posição fiscal e na evolução do cenário político do país até às eleições gerais agendadas para o próximo ano, estão igualmente na agenda dos tópicos em discussão nesta edição do encontro organizado pelo Moddy’s Investors Service, a decorrer até ao final do dia hoje em Joanesburgo.

Segundo a Moody’s, a América Latina e Ásia-Pacífico detêm o maior número de corporações e instituições financeiras EM notadas (classificadas por agências de notação financeira), enquanto que África/Médio Oriente e os mercados emergentes na Europa são dominados por instituições financeiras.

Esta agência sublinha que o número de notações EM de alto-rendimento corporativo (HY na sigla em inglês) é crescente, liderado pela China e Brasil, com os setores agrícola e imobiliário a registar maior visibilidade.

Os analistas da Moody’s destacaram na abertura do encontro a África do Sul, Angola, Maurícias, Senegal e Gana entre os países onde o “risco político se apresenta em sentido inverso”, a “caminho da estabilidade financeira”.

A agência aponta o crescimento económico, a estabilidade financeira, o impacto tecnológico, as alterações climáticas e o crescimento populacional com sendo os seis principais desafios que se colocam aos mercados emergentes.

A pressão sobre os mercados cambiais poderá igualmente impactar os credores, considera a agência de notação financeira internacional com sede em Londres.

Comentários do Facebook
<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<ins class="adsbygoogle"
     style="display:block"
     data-ad-format="autorelaxed"
     data-ad-client="ca-pub-7513151535689663"
     data-ad-slot="7531535151"></ins>
<script>
     (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>