OPERAÇÃO FIZZ

Orlando Figueira diz que PCA do Millennium Atlântico mentiu e pede confrontação

Partilhar

As contradições entre o ex-procurador e arguido Orlando Figueira e o banqueiro luso-angolano Carlos Silva, que nega ter contratado o ex-procurador, levaram hoje a defesa do magistrado a pedir uma acareação no julgamento do processo ‘operação Fizz’.

Na versão de Orlando Figueira, Carlos Silva, presidente do Banco Privado Atlântico (BPA) e vice-presidente do Millenium, tinha-lhe oferecido um contrato de trabalho para ser assessor jurídico do banco angolano, facto que nunca se concretizou e que terminou com a intervenção do advogado Daniel Proença de Carvalho para sanar o diferendo.

No testemunho de hoje, Carlos Silva negou ter contratado Orlando Figueira, desmentindo a versão do magistrado, negou tê-lo conhecido em Luanda e que no almoço que tiveram em Lisboa não falaram de trabalho, nem de futuras remunerações, insistindo que não tem nem o telemóvel nem o mail do ex-procurador.

Confrontado com uma série de e-mails enviados para a sua caixa de correio, entre dezembro de 2011 e janeiro de 2012, nomeadamente um do arguido Paulo Blanco a saber se havia “algum desafio” no BPA para Orlando Figueira, o banqueiro disse que se limitou a sugerir que falasse com um dos acionistas do BPA Paulo Marques, entretanto falecido.

“Nunca mais ouvi falar de Orlando Figueira, nunca mais soube da vida dele. Desconheço o mail [enviado por Paulo Blanco] com a minuta do contrato de trabalho. Não li, não me chegou”, disse em tribunal, desmentindo o arguido.

Questionado sobre vários e-mails enviados por Paulo Blanco, umas vezes escritos de forma bastante informal outras mais formais, Carlos Silva afirma que muitos não leu, que é um homem muito ocupado e disciplinado e que deu instruções à assistente para não lhe dar conhecimento dos mesmos.

“Paulo Blanco nunca foi meu advogado nem do banco. Tem um perfil proativo, cria cenários, antecipa-se”, disse, acrescentando que, a determinada altura devido à insistência, teve de “gerir a relação com distância”.

Contradizendo as versões dos dois arguidos, o banqueiro falou de uma “teoria absurda”, de um conluio entre Blanco e Figueira do qual diz desconhecer as motivações.

Desagradado com as declarações da testemunha, Orlando Figueira pediu uma acareação com o banqueiro, aguardando-se a decisão do tribunal.

À saída do tribunal, Orlando Figueira disse que Carlos Silva mentiu, questionando como é possível alguém acreditar que ele não tenha recebido os e-mails referidos em julgamento.

“Depois de dois anos de maldade que este indivíduo fez a um homem com 23 anos imaculados de magistratura que tivesse metido a mão na consciência e viesse dizer a verdade e não veio”, disse o ex-procurador.

Paulo Blanco disse que desde o princípio assumiu tudo o que fez “com honradez” e que esperou “durante algum tempo que também assumissem aquilo que fizeram”, acrescentando que entre depoimentos e documentos juntos ao processo “o tribunal saberá avaliar muito bem a prova”.

Carlos Silva apenas disse que “respeita o tribunal” e que continuará a depor “com responsabilidade”.

A ‘operação Fizz’ julga crimes de corrupção, branqueamento de capitais, violação do segredo de justiça e falsificação de documentos e tem como arguidos.

Após a separação da matéria criminal que envolve o ex-vice-presidente angolano Manuel Vicente, o processo tem como arguidos Orlando Figueira, o empresário Armindo Pires e Paulo Blanco.

Comentários do Facebook

Partilhar
<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<ins class="adsbygoogle"
     style="display:block"
     data-ad-format="autorelaxed"
     data-ad-client="ca-pub-7513151535689663"
     data-ad-slot="7531535151"></ins>
<script>
     (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>