ECONOMIA

Empresário angolano quer proteção em São Tomé quando receber cervejeira




O empresário angolano Mello Xavier disse hoje contar com a proteção do Governo são-tomense quando, na quarta-feira, se deslocar à cidade de Neves, para receber formalmente a fábrica de cerveja Rosema.

“Eu vou receber porque há uma decisão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) de São Tomé neste sentido, eu vim aqui para isso, para levantar a bandeira de São Tomé ao lado da bandeira de Angola na fábrica Rosema”, disse hoje o empresário aos jornalistas.

São Tomé “é um país soberano, tem de respeitar um cidadão angolano que fez seu investimento. O Governo de São Tomé deve por lei proporcionar-me proteção, eles é que devem ter o cuidado de me protegerem “, disse Mello Xavier, quando questionado se não receia pela sua integridade física.

Um acórdão do STJ divulgado na sexta-feira, 28 de abril, devolveu ao empresário angolano a cervejeira Rosema depois de um contencioso judicial que durou nove anos. A fábrica deveria ser entregue nesse mesmo dia, mas fonte judicial disse que “a falta de notificação pelo STJ ao tribunal de Lembá” adiou a entrega para esta quarta-feira.

A advogada da sociedade são-tomense dos “Irmãos Monteiro” prometeu interpor um recurso no Tribunal Constitucional contra a decisão do Supremo Tribunal de Justiça de devolver a cervejeira Rosema a Mello Xavier.

Celiza Deus Lima disse aos jornalistas que o acórdão do Supremo Tribunal de Justiça que ordenou a devolução da cervejeira ao empresário angolano põe em causa “a segurança jurídica e fere brutalmente o princípio constitucional da imutabilidade e força vinculativa do trânsito em julgado”.

A advogada dos Irmãos Monteiro sublinhou, ainda, que este acórdão “padece de vícios graves, omissões deliberadas, contradições e está assente numa escandalosa fraude à lei e aos princípios básicos do sistema jurídico são-tomense”.

“Vou receber a fábrica e vou continuar a apostar no investimento em são Tomé, não é por causa de uns dois elementos mal-intencionados, apostados em viver de lucros fáceis que eu vou abandonar os meus investimentos”, declarou Mello Xavier.

O empresário citou, ainda, o acordo bilateral assinado em 1982 em que Angola e São Tomé concordam em proteger os investimentos dos cidadãos são-tomenses e angolano nos respetivos países.

Mello Xavier disse que, por causa do conflito judicial que envolveu a Rosema, “o país (São Tomé) perdeu muito investimento de empresários angolanos que pretendiam investir no arquipélago, “porque perderam a confiança. O país não dá garantias”.

Comentários do Facebook
<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<ins class="adsbygoogle"
     style="display:block"
     data-ad-format="autorelaxed"
     data-ad-client="ca-pub-7513151535689663"
     data-ad-slot="7531535151"></ins>
<script>
     (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>