ECONOMIA

Taxa de juro mantém a 18 porcento por ano – BNA

Partilhar

O Banco Nacional de Angola (BNA) decidiu nesta segunda-feira manter, a taxa básica de juro a 18 porcento por ano, depois de analisados os principais indicadores macroeconómicos, como a taxa de inflação.

Uma nota de imprensa produzida no final da reunião mensal do Comité de Política Monetária (CPM) do BNA, enviada à Angop, indica que as taxas de juro das Facilidades Permanentes de Cedência e Absorção de Liquidez mantêm também em 20 e 0 porcento, respectivamente.

O documento diz que no encontro, onde foram ainda analisados os indicadores relativos à economia nacional com realce para a evolução da taxa de inflação e dos factores que determinam o seu comportamento no curto prazo, o CPM decidiu também manter inalterados os coeficientes das Reservas Obrigatórias em moeda nacional e estrangeira em 21 e 15 porcento.

O Índice de Preços no Consumidor Nacional (IPCN), que inclui todas as províncias, registou uma variação mensal de 1,44 porcento (+0,18 p.p.), superior à registada no mês anterior e uma variação homóloga de 20,90 porcento nos últimos 12 meses (-0,57 p.p.).

As províncias que apresentaram as maiores variações mensais foram: Cuanza Sul (2,30 porcento), Lunda-Norte (2,18 porcento) e Cunene (2,13 porcento), tendo as províncias de Benguela (1,33porcento), Huíla (1,37porcento) e Luanda (1,38porcento) registado as menores variações.

No que diz respeito ao panorama geral do IPCN por classes, constatou-se que a maior variação mensal de preços foi observada na classe dos Bens e Serviços Diversos (3,20 porcento).

A Base Monetária em Moeda Nacional, variável operacional da política monetária, expandiu 4,56 porcento, em Março de 2018, em termos mensais e 15,09 porcento, em termos homólogos face a Março de 2017.

No que diz respeito ao mercado monetário interbancário, observou-se, no mês de Março de 2018, uma redução de 16,67 porcento dos montantes transaccionados, totalizando um fluxo de Kz 758,57 mil milhões.

A LUIBOR, na maturidade overnight, situou-se em 20,12 porcento, o que representa um aumento face ao nível em que se encontrava no início do ano (17,77 porcento).

Em relação ao agregado monetário M2, que congrega a totalidade dos depósitos bancários em moeda nacional e as notas e moedas em poder do público, variou positivamente durante o mês de Março em Kz 21,23 mil milhões.

Com efeito, passou de Kz 4,45 biliões em Fevereiro para Kz 4,47 biliões em Março de 2018, o que corresponde a um aumento de 0,48%.

Nos últimos 12 meses, este indicador variou 4,04%.

No mercado de crédito, observou-se uma expansão mensal do Crédito em Moeda Nacional de 0,33%, destacando-se o aumento do crédito concedido à Produção e Distribuição de Electricidade, Gás e Água e Educação. Nos últimos 12 meses, o crédito à economia em moeda nacional cresceu em torno dos 9,50%.

No período em análise, o Banco Nacional de Angola vendeu um total de Euros 735,94 milhões, aos bancos comerciais, tendo a venda acumulada, no corrente ano, sido de Euros 2.245,80 milhões.

O efeito combinado do aumento das quantidades de petróleo exportadas e do preço das ramas angolanas, resultou num saldo da conta de bens no valor de USD 2,67 mil milhões em Março, superior àquele que se registou em Fevereiro (USD 2,01 mil milhões).

O referido documento adianta que as Reservas Internacionais Brutas (RIB), em Março de 2018 situaram-se em USD 17,69 mil milhões contra os USD 17,47 mil milhões, em Fevereiro 2018, representando uma variação positiva de 1,26%. No final do mês em análise, o nível de Reservas Internacionais representava 7,37 meses de cobertura das importações de bens e serviços.

A nota assegura que desde a entrada em vigor do novo regime cambial, a 9 de Janeiro, até 30 de Março, o diferencial das taxas de câmbio da moeda nacional face ao Euro, nos mercados secundário e informal, registou uma redução de 17,48 p.p., passando de 101,19% para 83,72%.

Comentários do Facebook

Partilhar