Acordo com a Emirates é para não repetir – Presidente da TAAG

Lusa




Partilhar

O presidente da Comissão Executiva da TAAG, Rui Carreira, rejeitou hoje a entrada da companhia aérea Emirates no capital da transportadores aérea angolana, vincando que a experiência de gestão da companhia angolana pela Emirates “é para não repetir”.

“A experiência é para não repetir, mas isto engaja-me a mim, é a minha opinião pessoal, não sei o que os acionistas vão querer fazer no futuro”, disse Rui Carreira, quando questionado pela Lusa sobre se o regresso da Emirates à TAAG era uma possibilidade.

“Qualquer parceria tem sempre subjacente uma atitude comercial, uma estratégia comercial, portanto se a estratégia da TAAG se alinhar com a da Emirates, porque não”, questionou o antigo piloto, explicando depois que “o que a TAAG precisa é de capital, de financiamento, e a Emirates quando veio para Angola foi para gerir, não veio fazer uma injeção de capital”.

Em declarações à Lusa à margem da sua participação no ‘Portugal Exportador’, que hoje decorre em Lisboa, organizado pela Fundação AIP, Novo Banco e AICEP, Rui Carreira disse que a empresa está à procura de capitais privados para expandir a atividade, mas não para já.

“Numa primeira fase serão apenas investimentos públicos mas a médio prazo a companhia vai estar aberta a capitais privados, quer angolanos, quer estrangeiros; é uma lufada de ar fresco no financiamento, que abre boas perspetivas” para novo financiamento e para a modernização da frota, quer em novos aviões quer nos atuais, disse o presidente da empresa.

Sobre as notícias que dão conta de um excesso de pessoal na empresa, Rui Carreira disse que “a avaliação está ainda a ser feita no detalhe” e explicou que “quando se diz que tem trabalhadores excedentários, compara-se com rácios de outras companhias e de outros países e não se tem muito em linha de conta as realidades do país que é Angola”.

Antes, na intervenção no painel sobre Angola, Rui Carreira afirmou que quer colocar a TAAG como a companhia número 1 na África subsaariana “na qualidade do serviço, na segurança dos passageiros e na pontualidade”, vincando que a companhia já é a mais pontual nesta região.

“Agora vamos atacar a vertente da qualidade dos serviços e da segurança, que é o mais importante”, concluiu.

Questionado sobre o impacto da visita do Presidente de Angola, João Lourenço, a Portugal, para a semana, Rui Carreira disse que o impacto não deverá ser significativo, vincando que “estando as relações políticas mais ou menos brandas, sempre houve um fluxo considerável de passgeiros entre Angola e Portugal”.

Certo é que o acordo aéreo assinado durante a recente visita do primeiro-ministro de Portugal a Angola, não deverá ter efeitos práticos imediatos, pelo menos para a TAAG: “Vamos ver como o mercado vai evoluir, mas neste momento não temos capacidade para aumentar muito mais as ligações já existentes, porque não temos aeronaves nem tripulantes, mas no médio e longo prazo acredito que vamos chegar ao número de frequências permitido pelo acordo”, disse o presidente da comissão executiva da TAAG.

O acordo prevê o aumento das frequências de 17 para mais de 20 ligações semanais entre os dois países, o que é “um grande desafio”, concluiu.

Comentários do Facebook

Partilhar
<script async src="//pagead2.googlesyndication.com/pagead/js/adsbygoogle.js"></script>
<ins class="adsbygoogle"
     style="display:block"
     data-ad-format="autorelaxed"
     data-ad-client="ca-pub-7513151535689663"
     data-ad-slot="7531535151"></ins>
<script>
     (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
</script>